Poder da Palavra

Política, Filosofia, Literatura, Cultura, Espiritualidade, Ciências Sociais, Urbanismo e outros assuntos chatos

Sobre

 

Surgido em 2003, mas com muitos textos anteriores, o blog Poder da Palavra manteve bastante atividade até 2007, tendo seu pico em 2006. Reunindo textos sobre assuntos diversos – Política, Cultura, Literatura, Espiritualidade, em geral entremeados entre si, sem nenhum padrão muito definido de texto. Em alguns dias estava lá um ensaio, noutros praticamente uma troca de correspondências, noutro uma história, em outro ainda um poemeto.

A atividade foi desacelerando com o tempo, efeito do aumento de trabalho burocrático, de tarefas urgentes, de muitos problemas de saúde como os que me deixaram fora de combate quase a metade do ano passado quando ensaiava uma volta. Também pesou muito meu afastamento das redes sociais, já desde a fase final de decadência acentuada do Orkut e sua progressiva substituição pelos lacônicos e superficiais Twitter e Facebook iam me atraindo cada vez menos pela incapacidade de qualquer debate real, além da crescente institucionalização da trollagem no lugar do debate.

Mas, é preciso dizer, o esvaziamento das certezas e a escassez de respostas, em todos aqueles campos, provavelmente pesou mais do que todos estes outros fatores. Mesmo quando se enche as frases de poréns e entretantos para justificar uma tentativa de consolidar uma ideia ainda assim é necessário vislumbrar algo e esta visão vinha me faltando.

Por fim o espírito deve estar liberto para que ao escrevermos esta verdade que julgamos encontrar possa fluir com todo seu potencial até seu destino. E o próprio ato de escrever contribui para esta libertação – como já disse várias vezes no blog recomendo a todos que escrevam como uma forma de encontrar a sua unidade e nela a sua integridade mais profunda no sentido estrito de integridade, ser inteiro.

Finalmente resolvi aplicar o remédio de novo a mim mesmo, talvez buscar na reflexão ímpar que o ato de escrever nos traz um oásis não de novas certezas, mas de dúvidas e hipóteses que possam levar a desvelar caminhos.

Sobre o nome do blog

A expressão Poder da Palavra é repleta de sentidos, muito mais do que aquele pelo qual o blog é tomado a cada vez que passo meu e-mail a alguém. No sentido do “stylus fortior gladio” – “a pena é mais poderosa que a espada” –  o poder da palavra é a força da persuasão que se sobrepõe à força bruta e a enfrenta. É também o combate ao mal pela persuasão e neste sentido a espada em forma da letra árabe Aleph do logotipo é a katib, a espada de madeira que os pregadores islâmicos utilizam no púlpito justamente para simbolizar este poder da palavra, portanto está longe de ser um símbolo exclusivamente cristão.

À guisa de editorial

Fico um pouco vexado da simbologia da frase sair da mesma fonte onde bebeu o astrólogo boca-suja que se tornou – junto com o ator pornô e os roqueiros fracassados – um dos gurus destas falanges sombrias que rondam o horizonte tentando matar a razão e sufocar toda inteligência. Ainda mais porque é por conta desse miasma apodrecendo a atmosfera que me fez polir a armadura, afiar a pena e sentir a necessidade da batalha.

Paradoxal, por sinal, em um blog que mesmo sempre se considerando progressista e defensor de uma democracia radial nunca deixou de prestar tributo aos méritos de pensadores políticos liberais de elevada estima pela democracia como Stuart Mills e mesmo de conservadores sérios como Ortega y Gasset, talvez um dos autores mais citados aqui nos textos sobre política, inclusive em um texto que é um marco e um dos primeiros – o Resgate do Poder da Palavra.  Da mesma forma como o PT foi alvo de infindáveis críticas por aqui.

Mas é um falso paradoxo, frente ao fascismo que berra como Astray “Viva a Morte! Abaixo a inteligência!” É preciso, como o liberal Unamuno falar, porque “Há momentos em que calar é mentir. Porque o silêncio pode ser tomado como aquiescência. ” E manter a crença que para vencer de fato é preciso convencer, para convencer persuadir.

Tenho a tranquilidade de quem já deve ter escrito ou colaborado na redação de 200-300 textos fazendo há 20 anos muitas das críticas feitas ao PT e muitas outras. E que continua acreditando que falta ao PT em sua monocórdica resposta de atire a primeira pedra quem nunca pecou o elemento essencial do “vá e não peques mais”. Buscam as soluções onde encontraram os problemas.

Mas não há compromisso possível com o fascismo, frente à besta não é possível contemporizar, necessário deixar as diferenças e cerrar fileiras. Resta a crença que as pessoas sensatas não só existem mas são maioria, só não tem como participar de uma disputa que caminha avançada para a insanidade.

Post antigos

A maior parte dos textos do antigo blog estão reunidos em dois ebooks, um com a maioria dos textos, outro com a maioria dos poemas. Medida necessária para agilizar a migração para um sistema mais fácil e menos consumidor de tempo – já não é possível ter a tarefa de gerenciador um servidor operando um software pesado de gerenciamento de conteúdo. Vai se perder um tanto daquela dimensão labiríntica que era um dos charmes do antigo blog, mas ao menos a volta se viabiliza com mais facilidade.

Praticamente nada mexi naqueles textos para estas edições, mesmo correndo o risco de terem se tornado extemporâneos e contraditórios eles têm esta função de retrato do momento, se algo ficou neles é o bom sinal de terem salto do efêmero e casual para um ponto mais alto, se ficaram velhos então são inócuos e atestam com humildade minhas limitações, o que é sempre positivo quando se tende a emitir juízos tão firmes sobre tantas coisas diversas.

 

Um comentário em “Sobre

  1. Tenho saudades dos antigos. Talvez seja tua primeira (re)leitora dos e-books, mas busco avidamente os textos novos, com os quais dialoga minha vertigem diante de tempos insanos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: