“Vencereis, mas não convencereis. Vencereis porque possuem a força bruta de sobra. Mas não convencereis, porque convencer significa persuadir. E para persuadir precisam de uma coisa que lhes falta – razão e direito na luta.” (Miguel de Unamuno respondendo ao Bolsonaro da época que gritava “Viva a morte”)
Vários tiros sairam pela culatra, armou-se o circo para transmitir o impeachment em horário nobre, os deputaods do baixo clero preparam-se com suas fantasias para seus 5 minutos de fama, os empresários colocaram seus jatinhos à disposição, a midia pôs todo seu foco na transmissão do espetáculo, os votos foram contados corretamente.
Mas erraram a dose e acabou sendo transmitido um show de horrores que chocou o país que finalmente conheceu o seu Congresso. No meio de muita palhaçada, poucos argumentos e um nível tão primário dos parlamentares sob o comando infame – temperado com a simonia e a hipocrisia – nasceu não o clima favorável ao rompimento institucional que se queria, mas, pelo contrário, a dúvida sobre as intenções e a seriedade daquele show, ao menos na mente de todos os que tinham preocupação real com o país.
Venceram no placar, mas fizeram o contrário de convencer a nação.